Marcelo Moreira Palma psicólogo do esporte.A cantora Simone foi jogadora da seleção brasileira de basquete. O médico Dr Eduardo Gonçalves de Andrade foi o Tostão, um dos campeões de 70 .
Simone e Tostão são duas pessoas famosas que passaram pelo esporte.
E o que é o esporte? para que serve?  além de diversão e entretenimento que naturalmente trás em si?

O esporte é importante por vários motivos…

O esporte é lúdico como as brincadeiras e os jogos, mas também bélico como os combates e as guerras, tendo forte apelo emocional. tanto para indivíduos quanto para massa de pessoas.

E tal qual as guerras o esporte também gera heróis. Modelos de conduta que são espelho para incentivar os valores dos países e sociedades.

Durante o século XX, o embate entre o mundo capitalista, comandado pelos USA, e o mundo socialista, liderado pela União Soviética, se refletia nas competições internacionais,

A chamada guerra fria era em grande parte “guerreada” nos campos esportivos.

Os valores de ambos os mundos, capitalista e socialista., eram “postos à prova”

E , querendo ou não, o forte apelo emocional que o esporte carrega em si, acaba por fazendo dele o ópio do povo, o circo romano. que é fundamental válvula de escape para inúmeras pressões sociais.

A exemplo do Futebol ,que ganhou a alcunha nos anos 70 de “o ópio do povo”, o esporte exerce sim função opiácea , anestésica, e até catártica – desafogando pressões humanas que de outra forma dificilmente teriam escape.

Lembrando que o ópio e seus derivados são drogas que oferecem grande êxtase, conforto – experiências dignas de uma torcida em final de campeonato.

A relação entre o Futebol e o ópio vai além da metáfora, atingindo a comparação, com certeza.

E tal qual as drogas, o esporte é um empreendimento econômico de grandes proporções e de alta rentabilidade.

Para que serve a Psicologia do Esporte?

A Psicologia do Esporte é a área da psicologia que empenha-se em promover os seres humanos, individual ou coletivamente, dentro do esporte, para trazer consciência a um ser humano ainda normalmente bastante jovem, que está envolvido como atleta em algum esporte de alto rendimento, para que este ser humano possa ter clareza sobre o processo em que está imerso.

A Psicologia do Esporte é a área da psicologia que empenha-se em promover os seres humanos, individual ou coletivamente, dentro do esporte. Para que esses seres humanos que participam dessa atividade não deixem de corresponder às expectativas de seus clubes, de seus patrocinadores, de seus fãs, de seus familiares, da sociedade, dos políticos ou de seus investidores por causa de problemas psicológicos que estejam atrapalhando. Sim, ela faz isso também!

E também…A Psicologia do Esporte busca possibilitar que o atleta possa dimensionar, pesar o custo/benefício do tempo de vida e da energia vital despendida em treinamentos, competições e na ingestão de substâncias e drogas ministradas no esporte de alto nível, com clareza, responsável e autonomamente.

A Psicologia do Esporte busca trazer consciência sobre as questões midiáticas e de identidade, para que o a atleta possa saber muito claramente o que é sua sua vida privada, e o que é sua atividade esportiva de alto rendimento – como Pelé tão perfeitamente faz: Existindo o Édson, filho, pai e etc… e o Pelé, ídolo, Deus, rei do futebol.

A Psicologia do Esporte busca por meio do conhecimento das emoções e dos sentimentos, o fortalecimento humano da pessoa, o aprofundamento do auto-conhecimento, o desvendar de motivos inconscientes que possam estar embasando os esforços e sacrifícios despendidos na atividade tão desafiadora que é o esporte, sem prejuízo de considerar as condições materiais, o papel financeiro/profissional que o esporte representa.

A Psicologia do Esporte busca colocar a pessoa em primeiro lugar.

A Psicologia do Esporte quer ver – mais que tudo – o médico, o cantor, o comerciante, o poeta, o engenheiro, o filho, o pai, o amante, o amigo, o boêmio, o músico, o comunicador, o pensador, o ser humano rico e cheio de possibilidades que cada atleta também possui dentro de si.

A força do dinheiro, a importância dos patrocinadores, a luta pela sobrevivência, a obtenção de sucesso e de riqueza financeira, tudo isso é determinante em grande medida obviamente, mas nada disso anda sozinho, as pessoas estão sujeitas a estas forças claro, mas sem pessoas não há esporte. Há? Alguma pessoa sempre terá de estar lá.

O fato é que a Psicologia do Esporte ocupa-se principalmente do Eduardo, da Simone e do Edson, que de modos diferentes, habitam cada atleta.

Psicoterapia, Psicologia do Esporte

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Share This